Qual Amplificador Valvulado Eu Compro? – Em 10 passos!

facebooktwitter

Essa é a pergunta campeã nos fóruns especializados no assunto, como o Cifra Club. Você já pesquisou sobre o assunto mais ainda não conseguiu decidir qual comprar? Veja aqui 10 dicas valiosas de como escolher o seu tão sonhado amplificador valvulado!

Qual Amplificador Valvulado?

Passo 1 – Amplificador Valvulado x Transistorizado

Eu sei, eu sei… se o post é sobre amplificador valvulado, porque começar com essa discussão sobre valvulado x transistorizado? A resposta é simples: antes de iniciar a busca pelo seu valvulado, esteja certo de que busca realmente um valvulado. Senão você vai ficar a vida toda buscando um amplificador valvulado com características de um transistorizado.

Por exemplo: custo, potência, recursos… tudo isso varia muito no mundo dos transistorizados para o mundo dos valvulados. Portanto, antes de tudo escolha definitivamente entre ter um amplificador valvulado ou um transistorizado. Esse post aqui talvez te ajude nisso: Amplificadores Valvulados x Transistorizados

Passo 2 – A potência do seu Amplificador Valvulado

O segundo grande passo na escolha do seu amplificador valvulado é a potência. A potência vem até mesmo antes do timbre! Por quê? Porque a potência influencia todo o resto: tamanho, peso, custo, aplicações…

Não adianta ter um amp com um timbre mais que perfeito, mas que não cabe no seu bolso (ou no seu porta-malas). Ou, ao contrário, que não te atende em termos de volume e headroom. Além disso, existem amplificadores valvulados com timbres fantásticos em qualquer potência que você escolher, basta procurar.

Se você tem dúvida para saber qual a potência você precisa na sua aplicação, esse post pode esclarecer um pouco sobre esse assunto: Potência de Amplificador Valvulado para Guitarra: Como Saber?

Passo 3 – O timbre do seu Amplificador Valvulado

O timbre é um item de extrema importância no seu amplificador valvulado. Depois de filtrar as opções que atendem o que você precisa em termos de potência, o timbre deve ser a primeira coisa a se olhar.

Os próximos passos também são importantes, claro. Mas pode anotar uma dica valiosa: se tem alguma coisa que vai fazer você se apaixonar ou odiar seu amp nos próximos anos é o timbre. Não são os recursos, o status ou o atendimento… é o timbre!

Mas qual o melhor timbre? Não existe resposta a essa pergunta. Melhor para quem? Se a sua resposta é: “melhor para mim, claro!” (e deveria ser essa resposta mesmo), então só tem uma pessoa que pode definir isso. Você! Quais suas influências? Quem são os ídolos que fizeram parte da sua formação musical? Quais tiravam o timbre que você mais gostava? Responder a essas perguntas é um grande passo para definir qual o timbre que melhor vai te atender.

Passo 4 – Quantidade de canais

O timbre que vem do amp é sempre muito importante, e mudar suas características externamente nunca dá o mesmo resultado do que mudar o timbre que vem diretamente do amp.

A questão é: como mudar o timbre do amp durante uma apresentação? E a resposta é: com vários canais. Ter mais de um canal é como ter vários amplificadores em um só.

Os vários canais podem ser muito diferentes entre si ou muito parecidos, então fique atento ao timbre de cada um deles. Dois canais com timbres fantásticos valem mais do que três canais, sendo dois com timbre mais-ou-menos.

Se você responder sim a essas perguntas, isso é um bom indício que você precisa de mais de um canal:

  1. Você precisa de um timbre limpo e um sujo, e quer usar a distorção das válvulas do seu amp?
  2. Você precisa de um crunch e um timbre mais pesado na mesma apresentação?
  3. Você vai trocar de guitarra durante o show e precisa de equalizações diferentes?
  4. A sua banda varia muito o estilo durante as apresentações?

Dá uma olhadinha nesse post que pode ajudar: Amplificador Valvulado para Guitarra: Recursos – Parte 1

Passo 5 – Loop de Efeitos

Loop de efeitos é um entre vários recursos que o seu amplificador valvulado pode ter. Mas ele é um recurso tão importante que mereceu um passo só pra ele.

Você precisa de loop de efeitos? O principal fator para determinar isso é saber se você gosta de usar e abusar de pedais de efeitos (principalmente pedais de ambiência, como delay e reverb). Se for esse o seu caso, então o loop vai fazer muita diferença para você, pode apostar.

Se você quiser entender um pouco mais do assunto, dá uma lida no post abaixo: Loop de Efeitos em Amplificadores para Guitarra

Passo 6 – Demais Recursos

O loop de efeitos é um recurso muito importante (talvez o mais importante), mas não é o único importante. Algumas outras características podem ser muito valiosas (e até indispensáveis) no seu som: efeitos embutidos, equalização, power scaling, saída de linha, saída de fone, boost de volume e boost de ganho são alguns exemplos.

Aqui, temos duas dicas muito importantes:

  1. Não confunda desejo com necessidade. Quanto mais recursos você definir como essenciais, menores serão as possibilidades que o mercado oferece e menores as chances de você achar um amp com a potência e timbre que você busca. Geralmente não vale a pena trocar um amp com timbre fantástico por outro com um timbre “mais ou menos” por causa de uma saída de linha ou de um reverb de mola.
  2. Lembre-se que a maioria desses recursos pode ser substituída por outras alternativas. Por exemplo: efeitos embutidos podem ser obtidos com pedais externos, a ausência de uma saída de linha pode ser contornada microfonando-se o amp ou usando o send do loop de efeitos, o boost de ganho e de volume pode ser substituído por um pedal… e por aí vai!

Se quiser conhecer um pouco mais sobre os recursos que podem existir em um amplificador valvulado, dá uma olhadinha nesses posts:

Passo 7 – Status

Pois é… esse é um passo polêmico. Quem liga para status é geralmente criticado por quem venera o timbre do amplificador acima de todas as coisas. Mas se para você status é importante, então ele é importante e ponto final!

Por mais que nesse post ele apareça como o Passo 7 (atrás de potência, timbre, número de canais, loop e outros recursos), quem define a importância desse item é você, e mais ninguém. Por isso, vamos apenas pontuar algumas questões para você pensar a respeito:

  1. Status sempre foi e sempre será importante no mundo da guitarra (em qualquer mundo, na verdade). Imagem é importante se você quer ser um grande nome da música. Isso é indiscutível.
  2. Vale lembrar, porém, que os grandes guitarristas fizeram as grandes marcas (e não o contrário). Investir no seu status é mais importante que investir no status do seu equipamento.
    Você conhece algum guitarrista que tenha ficado famoso simplesmente porque usava um amp reconhecido? Aposto que não. Mas você conhece alguma marca de amp que ficou conhecida por ser usada por um guitarrista famoso? Basicamente todas elas!
  3. Status custa caro. Se seu orçamento é limitado, comprar uma marca consagrada pelo status pode significar que você está abrindo mão de potência, ou recursos, ou (Deus nos livre) de um valvulado por um transistorizado.

Passo 8 – Atendimento e assistência técnica

Quem nunca teve problemas na hora de descobrir como configurar um aparelho? Ou como fazer uma determinada conexão? O manual às vezes resolve, mas nem sempre…

E quem nunca teve um equipamento que deu defeito? Um computador, um eletrodoméstico, ou um instrumento? Como foi para resolver: rápido e barato ou lento e trabalhoso?

Essas coisas acontecem como todo mundo, não tem como fugir delas. A questão é a dor de cabeça que isso vai trazer para você. Antes de comprar o seu amplificador valvulado, pesquise sobre o atendimento pós-venda, sobre qual a garantia dele, onde é feita a manutenção, quanto tempo demora em média… Procure sobre reclamações na internet, entre em contato com o fabricante para testar a agilidade no atendimento.

Pesquise! Um pouco de trabalho agora pode economizar uma enorme dor de cabeça no futuro.

Passo 9 – Amplificador Valvulado Nacional x Importado

Uma pergunta muito importante é: comprar um amplificador valvulado nacional ou um importado?

Geralmente essa escolha tem impacto em três fatores: 1 – Status; 2 – Atendimento e Assistência Técnica; e 3 – Preço. Desses três fatores, o amplificador valvulado importado ganha em Status, mas perde em Atendimento e Assistência Técnica (pela distância geográfica), e em preço (e perde de lavada).

É claro que isso é uma regra que tem exceções. Nem todo fabricante nacional presta um bom Atendimento e Assistência Técnica, e alguns tem um preço comparável a importado. Então fique sempre atento e pesquise o fabricante que você está de olho para saber como ele é nesses aspectos.

Em relação à potência, timbre, quantidade de canais, loop de efeitos e outros recursos, existem nacionais e importados para todos os gostos. Colocando em outras palavras: tanto nacionais quanto importados tem opções nas mais diversas potências, o timbre do importado não é melhor do que o nacional (ou vice-versa), e nos dois casos você encontra todos os tipos de recursos.

Passo 10 – Preço

Nesse passo, você deveria estar em dúvida entre alguns modelos de amplificador (de 2 a 6, provavelmente).

Mas eles cabem no seu bolso? Se cabem: perfeito! Escolha o que apresenta a melhor relação custo benefício. Você vai ter que priorizar agora: potência ou recursos? Timbre ou status? Ou atendimento?

Se não cabem… bem, tá na hora de afrouxar os seus requisitos. Será que você precisa mesmo daquele reverb de mola que você colocou como essencial? A potência que você precisa é essa mesmo, ou é menor?

Pensa e decide do que você pode abrir mão para achar uma solução bacana que você possa pagar. E claro, não descarte a alternativa de esperar um pouco mais e juntar mais dinheiro. Afrouxar demais seus requisitos vai fazer você gastar tudo o que tem em um amp que não gosta. Isso sim é ruim!

 

Gostou do post? Tem dúvidas, críticas ou comentários? Tem sugestões para os próximos tópicos? Não deixe de deixar sua participação!

1 pensamento em “Qual Amplificador Valvulado Eu Compro? – Em 10 passos!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *