10 pedais para Guitarra – Parte 3 (Chorus, Phaser e Boost)

facebooktwitter

É sempre bom saber o efeito de cada pedal, certo?! Então, vamos continuar com a nossa série sobre os diferentes tipos de pedais. Nesta terceira parte escolhemos o Chorus, Phaser e o Boost.

MXR EVH 90

Chorus

Imagine tocar uma guitarra e ter o resultado de duas, três guitarras tocando ao mesmo tempo… Esse é um dos efeitos do Chorus. Esse pedal produz uma sensação de mais de uma guitarra sendo tocado ao mesmo tempo, nota por nota. Um coro de guitarras! Coro, chorus… pegou o espírito da coisa?

Esse efeito produz um som profundamente exuberante! Para conseguir isso, o pedal de chorus mistura um sinal normal com um sinal atrasado e que teve sua afinação levemente alterada para cima.

Ficou curioso para saber como fica esse som? Procura uns sons de Joe Satriani no começo da carreira. O cara se amarra nesse efeito!

Phaser

Ouça Eddie Van Halen em “Atomic Punk”! Essa é uma excelente definição (prática) do efeito Phaser.

Agora, na teoria é uma mistura de um sinal normal com um que vem logo depois: uma espécie de delay modulado (com atrasos muito curtos, na faixa de 1 a 10 ms). O efeito criado é justamente de modulação: multiplicação do sinal com alterações na frequência, amplitude e fase. Com tantas alterações são criadas interferências construtivas e destrutivas.

Hein!?

Se a explicação pareceu um pouco complicada, é porque é mesmo. Na prática você vai escutar um som meio wah wah, mas com uma pegada mais surreal e psicodélica… oO (WTF?)

Curiosidade: Lá pelos anos 60, o phaser era produzido de uma forma – digamos – mais trabalhosa. O efeito era produzido gravando o mesmo sinal em dois gravadores e aí o som era reproduzido. As bandas psicodélicas da época alucinavam (e abusavam) do efeito phaser.

Boost

I boost, you boost, we boost… Todo guitarrista “boost” (com o perdão da brincadeira). O nome desse pedal vem do verbo inglês “to boost”. A tradução é simples: impulsionar, aumentar, amplificar, intensificar!

E se a ideia é explicar de forma simples, então, vamos lá. Nada mais é do que um efeito que aumenta o volume do sinal que recebe, mas sem chegar a saturar/distorcer (isso é fundamental, senão seria um pedal de overdrive ou distortion).

Tem duas situações específicas onde se pode usar o pedal boost que merecem destaque:

  1. No input: nessa situação, o boost pode acontecer no volume (se o seu amp ainda não estiver distorcido) ou no ganho (se o amp já estiver distorcido). Use sempre que você quiser dar uma distorcida adicional na hora do solo ou quando o seu amp não tiver distorção suficiente para o seu timbre.
  2. No loop de efeitos: a não ser que o power do amp já estiver distorcido (em volumes mais altos), a tendência é que um boost no loop te dê um aumento de volume, e não de ganho. Use sempre que você quiser destacar a guitarra (em um solo matador, por exemplo).

Confira a série completa de posts sobre Pedais para Guitarra!

Esses foram mais três tipos de pedais. Escolheu seu preferido?

Tudo, claro, depende do gosto de cada um, do tipo de som que cada guitarrista tira. Ainda tá na dúvida qual é seu som: EXPERIMENTA TODOS!

Para conferir a nossa série completa sobre pedais para guitarra, é só acessar os links abaixo:

 

Gostou do post? Tem dúvidas, críticas ou comentários? Tem sugestões para os próximos tópicos? Não deixe de deixar sua participação!

1 pensamento em “10 pedais para Guitarra – Parte 3 (Chorus, Phaser e Boost)”

  1. Amigos da Sollo, já toco vários sons (rock nacional e internacional) no violão. Comprei minha primeira guitarra e agora preciso que me ajudem. Qual seria os 3 pedais básicos se isso é possível?
    Agradeço desde já e um forte abraço a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *