Amplificador Valvulado Nacional x Importado

facebooktwitter

Quem nunca ficou na dúvida entre comprar um amplificador nacional ou um importado? Você sabe quais as vantagens e desvantagens de cada um? Descubra aqui!

Breve história dos Amplificadores Valvulados no mundo

Antes de tudo, precisamos lembrar que os primeiros amplificadores da história eram valvulados, pelo simples fato de não existirem transistores na época.

A história do amplificador valvulado para guitarra se confunde com a história da própria guitarra. Foi no começo da década de 1930 que surgiram as primeiras guitarras elétricas, de uma empresa chamada Electro String Company. Essa empresa utilizou uma tecnologia já conhecida pela indústria fonográfica da época para transformar o movimento de vibração das cordas de aço em um sinal elétrico.

Obviamente, um guitarra elétrica só fazia sentido com amplificadores elétricos, e por isso mesmo a própria Electro String Company começou a produzir os primeiros modelos de amplificadores.

Bem no início dessa história, a Electro String Company  contratou um cara chamado Ralph Robertson que desenvolveu, pelo menos, 4 modelos de amplificadores. Esse primeiros modelos influenciaram diversos nomes, entre eles um tal de Leo Fender.

Leo Fender decidiu então suprir uma lacuna que existia na época de amplificadores de potência suficiente para serem usados em palcos, e com falantes maiores. Junto com seus modelos de 50W, Fender introduziu também modelos de guitarra de corpo sólido que logo se tornaram o padrão do mercado. A partir de então, a sua marca (Fender) cresceu exponencialmente e passou a dominar o mercado americano em pouco tempo.

No final da década de 1950 surgiu na Inglaterra outra marca que hoje é consagrada: a Vox. A principal diferença dos amp Vox era possuir um timbre mais quente, que músicos lendários como Jimi Hendrix e Jeff Beck “sobrecarregavam” propositalmente para produzir o efeito fuzz e distorcido que definiu o som da guitarra do início da década de 1960.

Jim Marshall entrou em cena durante essa década de 1960, quando a potência dos amplificadores da época já não era suficiente para as multidões cada vez maiores de pessoas atraídas pelo Rock’n Roll. Seu modelo de 100W com 4 falantes de 12 polegadas logo se tornou uma presença certa nos grandes shows, a ajudou a Marshall a se tornar a gigante que é hoje.

História dos Amplificadores Valvulados Nacionais

O mercado de amplificadores valvulados nacionais passou por uma fase singular de grande prosperidade nos anos 50 e 60. Dentre as marcas de maior destaque da época estão: Gianinni, Del Vecchio, Ipame, Phelpa, Sonelli, Snake e Palmer.

Nessa época, no Brasil, amplificadores Marshall, Fender ou Vox eram artigos raros de se encontrar, principalmente pela imensa barreira econômica de entrada (impulsionada por impostos e pelo câmbio desfavorável). Isso significa que a indústria nacional tinha terreno fértil para crescer.

Infelizmente, com diminuição da barreira econômica ao longo das décadas seguintes, o mercado nacional sofreu com a concorrência dos amplificadores importados (cada vez mais baratos), e muitas dessas marcas não conseguiram se manter vivas.

Dentre as marcas citadas, a de maior destaque e que existe até hoje é sem dúvida a Gianinni, que lançou modelos emblemáticos como o Tremendão e o Duovox, com sonoridade inspirada em amps Fender.

Com a concorrência internacional, o mercado nacional teve que se especializar e investir em qualidade e atendimento ao cliente. O mercado retomou a força principalmente com os chamados hand-made (amplificadores feitos artesanalmente à mão, na maioria das vezes clones dos grandes importados e geralmente com opções de customização), que conseguiam se destacar principalmente na relação custo/benefício e na possibilidade de fornecer amps personalizados.

Já no final da década de 2000 e início da década de 2010, o mercado nacional está vendo o surgimento de marcas que surgiram com uma proposta nova: competir em termos de qualidade, criando projetos próprios capazes de fazer frente aos consagrados amps internacionais. Entre as marcas de destaque estão: Gato Preto Classics, Alien Amps e, claro, a própria Sollo Amps.

Vantagem do Amplificador Valvulado Nacional

Ter um amplificador valvulado nacional tem vários pontos positivos importantes. Vamos listar aqui o que achamos serem os mais relevantes.

a)      Preço – desvantagem de lá, vantagem de cá. Por não sofrerem uma carga de impostos tão pesados, não terem que viajar longas distâncias e não passarem pela mão de importadores (com seus custos e lucros), os amplificadores valvulados costumam ser consideravelmente mais baratos. Especialmente se forem vendidos diretamente do fabricante para o consumidor final e evitarem as distribuidoras e lojas (também com seus custos e lucros).

b)      Assistência – O fato da fabricante estar a um e-mail (em português) de distância, ou a uma ligação nacional, faz com que seja muito mais fácil entrar em contato para esclarecer dúvidas e pedir aquela ajuda na hora de usar seu amp.

c)       Manutenção – Ter o fabricante a um envio dos correios de distância é algo inegavelmente reconfortante. É claro que cabe à empresa nacional prestar um bom serviço de manutenção (nem todas fazem isso), mas a tendência é que o processo seja bem menos doloroso do que no caso de amps importados;

d)      Qualidade – claro! Existem marcas no Brasil com tanta (ou mais) qualidade que as marcas consagradas. É preciso entender que o processo de fabricação das grandes marcas está se transformando, e com a migração da produção para a Ásia, o desafio de se manter o controle de qualidade é cada vez maior. Empresas nacionais costumam trabalhar com uma produção interna e, portanto, mais controlável. Obviamente não podemos generalizar, mas esse raciocínio pode se aplicar em mais casos do que você imagina.

Desvantagens do Nacional

E nem tudo são flores, comprar amplificador valvulado no mercado nacional tem suas armadilhas, e é preciso ficar atento.

a)      Status – ter um amp nacional não representa um grande status atualmente, mas essa é uma realidade que tende a mudar com o tempo. Com o investimento em qualidade, a tendência é que a indústria nacional conquiste cada vez mais músicos de calibre… e, bem… o que é o status senão músicos famosos usando a mesma marca que você?

b)      Qualidade – não, eu não enlouqueci. A questão é que os amps importados passam por um certo filtro de qualidade mercadológico (importadores e lojas só importam o que conseguem vender: amps de qualidade). É mais fácil encontrar um amp ruim fabricado no Brasil do que entre os importados (estou falando dos amps valvulados, não se esqueça). Por isso, fique atento e seja você mesmo o filtro mercadológico… se informe sobre a marca e investigue antes de fazer uma escolha.

c)       Preço de revenda – por comprar o amp a um preço justo, será difícil você conseguir um valor melhor nele na venda do que na compra. Lembre, principalmente, que o lugar onde você comprou seu amp provavelmente está também disponível para um possível comprador do seu amp usado.

Vantagens Do Amplificador Valvulado Importado

Aqui vamos listar as principais vantagens do Amplificador Valvulado importado, em relação ao nacional.

a)      Know-how – Os amplificadores importados geralmente são de marcas antigas, e que, consequentemente tem grande experiência no projeto e fabricação dos seus produtos;

b)      Status – não há como negar que, por enquanto, possuir um amplificador Marshall, Fender, Vox ou até Mesa Boogie confere um status maior no palco do que qualquer nacional;

c)       Preço de revenda – se você puder comprar um amplificador valvulado importado por um bom preço (principalmente se comprar durante uma viagem ao exterior), é bem capaz de conseguir vender ele mais tarde por um preço igual ou até maior o que você pagou na compra.

d)      Qualidade (?) – esse é um dos argumentos utilizados pelos defensores dos amps importados, mas não é uma verdade absoluta. A verdade é que existem amps importados bons e ruins, e amps nacionais bons e ruins… a questão é que o próprio processo de importação filtra um pouco os amps estrangeiros ruins, que acabam não chegando ao Brasil. Então, se você quer ter mais chance de dar um tiro certo e não está seguro que é capaz de filtrar as opções do marcado nacional, o importado pode ser uma boa escolha para você.

Desvantagens do Amplificador Valvulado Importado

E claro, quando falamos de vantagens, temos que falar também de… desvantagens. Aqui está uma pequena lista das desvantagens de se comprar um amp importado.

a)      Preço – claro! Antes de tudo, o amplificador valvulado importado vai custar de 70 a 150% a mais do que um amplificador valvulado nacional equivalente. O fato de sofrerem maior taxação de impostos e de passarem pela mãos de importadores, distribuidores e lojas (cada um com seus custos e lucros) é uma boa explicação para isso;

b)      Assistência técnica – quando você compra um amplificador valvulado, talvez precise de uma ajuda na hora de configurar e utilizar seu amplificador. E, nesse caso, a distância geográfica pode atrapalhar bastante na hora de pedir aquela ajudinha básica;

c)       Manutenção – Eventualmente o seu amp pode ter algum problema, sendo nacional ou importado. Nesse caso, como você vai resolver se ele for importado? Procurar alguma autorizada? Se não existir, você vai enviar seu amp para o exterior para manutenção? O quanto vai te custar cada uma dessas opções?

 

Gostou do post? Tem dúvidas, críticas ou comentários? Tem sugestões para os próximos tópicos? Não deixe de deixar sua participação!

3 pensamentos em “Amplificador Valvulado Nacional x Importado”

  1. Qual opção a Sollo o ferece com potência de 50Watts, que pode ser comparado ao Fender e ao Marshall?
    Quem é seu “melhor equivalente”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *